A mulher mais velha dos EUA, aos 116 anos tem uma vida dedicada à família e igreja

A idosa já sobreviveu a duas pandemias, e está atualmente com 116 anos.

PUBLICIDADE

Hester Ford, a mulher viva mais velha nos Estados unidos, reside em uma cidade na Carolina do Norte.  Nasceu em, 15 de agosto de 1904, em Lacaster, situada na Carolina do Sul. Após crescer trabalhando em uma fazenda, ela se casou e teve 12 filhos.

Mesmo em tempos de pandemia, o seu aniversário não ficou em branco. No último fim de semana, a idosa completou, 116 anos. E para comemorar, sua família organizou uma festa no estilo “drive-thru”, onde amigos, familiares e moradores da cidade passavam acenando e buzinando para Hester.

Segundo a neta, Mary Hill, aquela cidade onde Hester reside se tornou o seu lar. “A igreja dela fica apenas a 5 minutos de distância, e ela ama frequentar a sua igreja“. No entanto, por conta da pandemia, a idosa teve que refugiar-se dentro de sua casa e abrir mão de ir em um dos seus lugares favoritos.

Habitualmente, ela ia uma vez por mês, no primeiro domingo do mês, mas devido ao coronavírus, ela não pôde ir“, disse a neta. “Então, resolvendo essa situação, eles enviam os CDs (com as gravações dos cultos) e os diáconos vêm e entregam a ceia“.

A neta de dona Hester, contou que a sua avó teve muito amor e apoio, não só por parte da família de sangue, como também da família espiritual.

PUBLICIDADE

Foi só amor, a expressão do amor já é essencial“, contou outro neto, Clayton Harris. “Agradecemos a Deus por isso e também por sermos capazes de abraçar esse amor

As homenagens não ficaram por aí, Hester também foi homenageada pelo evangelista, Franklin Graham, neste domingo (16). “A Sra. Ford, reside em Charlotte, NC, onde meu pai Billy Graham nasceu, e ela ainda adora frequentar a igreja“, comentou na sua conta pessoal no Facebook.

Os netos da idosa, destacaram que a avó, entende e está ciente do que o mundo está passando. Viver uma pandemia não é uma novidade para Hester, pois estava com viva, quando surgiu a gripe espanhola em 1918. “Ela falou que ainda se recorda que muitas pessoas adoeceram“, conta Mary.

PUBLICIDADE

 

Escrito por

Carla Gomes

Apaixonada pela escrita, saber um pouco mais da vida dos famosos, amo receitas, dicas, saúde, curiosidades. Além de tudo as noticias que marcam o país e o mundo.